sexta-feira, 25 de outubro de 2019

De então a hoje

para a minha esposa e companheira Csilla Jeles Machado da Silva


conheci a passagem do tempo pelo peso de dois anjos
caídos         tomaram abrigo nos meus ombros
as asas descarnadas cobriam-me
os olhos com um véu de ossos
em filigrana         segredavam
à vez no tom próprio da ilusão
sedutora         emudeciam
o amor à vida

vestia-me de melancolia e tinha o passo
de blues bem ritmado ao coração
o horizonte lentamente se fez linha espelhada
no chão ancorada à vista
como um cão e o seu faro agrilhoado à presa

havia os laços de filia tão temporários
quanto uma gripe
alguns conheceram a magia das pedras
posso ainda levantá-los no pensamento
quando como ele surge
inesperado quanto o acontecimento ético
de um abraço há muito adiado

não me são estranhos os meandros
as vastas planícies sem ninguém
percorri terras com mulheres
viajei nos seus corpos que de cansaço
me abandonaram         até aportar

em ti         contigo houve excessos
pesadelos em longas ruas
a loucura em cada cidade
uma violência desperta nas palavras
e uma queda profunda no abismo pessoal

sem temores abracei a disciplina
e pela vontade tirei-me da cova
tal como Krishna ensinou Arjuna

desposámo-nos num outono de ouro
e há a distância ainda entre nós
à noite a aliança moldada pelas tuas
mãos        do tamanho da lua a olho nu
       lembra-me que toda a separação é falsa

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Lawrence Ferlinghetti - Uma Coney Island da mente (3)


3
O olho do poeta vê obscenamente
vê a superfície do mundo redondo
                      com os seus telhados bêbedos
                      e oiseaux de madeira nos estendais
                      e os seus machos e fêmeas de barro
                      com pernas boas e peitos de botão de rosa
                      em camas desdobráveis
e as suas árvores cheias de mistérios
e os seus parques de Domingo e estátuas atónitas
e a sua América
                     com as suas cidades fantasma e Ellis Island vazia
e a sua paisagem surrealista de
                     pradarias descuidadas
                     subúrbios de supermercados
                     cemitérios aquecidos a vapor
                     dias santos de cinerama
                     e catedrais a protestar
um mundo à prova de beijo de tampas de sanita de plástico tampax e táxis
            cowboys de drogaria e virgens de las vegas
            índios deserdados e matronas cinéfilas
            senadores desromanizados e objectores de consciência conscienciosos
e todos os outros fatais fragmentos de escarificação
do sonho de imigrantes tornado demasiado verdadeiro
           perdido
                     entre os banhistas


in Lawrence Ferlinghetti, A Coney Island of the mind, New York, New Directions Books, s.d. (1955), 44th printing: 13.

domingo, 25 de agosto de 2019

Lawrence Ferlinghetti - Uma Coney Island da mente (A Coney Island of the mind)




2

                                                A navegar as rouas de Demos
                                                   vimos pássaros simbólicos
                                                                             a berrar por cima de nós
                                          enquanto ávidas aves pairavam
                                                                   e elefantes em banheiras
                                    flutuavam por entre nós a caminho do mar
                                                                                                dedilhando mandolins dobrados
                                 e resgatando velhas glórias com as suas orelhas
                                                                                            enquanto donzelas patrióticas
                                           vestindo papoilas de papel
                                                                                e a comer bombons
                                                correram pelas costas
                                                                          lamuriando atrás de nós
                         e enquanto nos amarrávamos aos mastros
                                                                       e tapávamos os nossos ouvidos com pastilha elástica
                                burros moribundos nas altas colinas
                                                                            cantavam canções tristes
                                      e vacas felizes voaram para longe
                                                                                     entoando antífonas Atenienses
                            à medida que as suas vagens se transformavam em túlipas
                                                                                     e helicópteros de Hélios
                                                       voaram sobre nós
                                                                                 largando bilhetes de comboios de graça
                                  de Lost Angeles para o Céu
                                                                          e promessas de Eleições Livres
                                                          Pelo que
                                                                       içámos vela e navegámos
    nesse moreno navio uma vez mais
                                                 e por isso nos destinámos uma vez mais
            nos destinámos ao longo do mar devorador
                                                                          lotados de virgens vestais libertadas
   e atiradores de discos a ler Walden
                         mas
                               pouco depois de alcançarmos
                                                                as estranhas costas suburbanas
                                     dessa grande semi-
                                                                democracia Americana
                                         olhámo-nos
                                                                    com uma amena surpresa
                                            silenciados perante um topo

                                                                                    em Darien


in  Lawrence Ferlinghetti, A Coney Island of the mind, New York, New Directions Books, s.d. (1958), 44ª edição: 11-12

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

da impossibilidade de a todos satisfazer

a felicidade poderia passar de mão
em mão         parti cedo
qualquer permanência num lugar
revogava o prazer

é um deslize pelo fio
de uma lâmina         o comprometimento
ao fim do caminho                                planta
em alguém a tristeza no grão
da voz

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

de passagem

abro a janela à caça de pensamentos
dando conta à noite da desistência de
transformar o mundo         dos outros
pouco espero         as linhas sempre tão cheias de
pardais eloquentes
põe-me o saco ao ombro aos tombos pelos prados
nem a ausência na grande cidade instigou a curiosidade
dos amigos no conhecimento de como o tempo passa
numa vida lenta de ascese quando em visita
dei o rosto ao encontro         embora curtida
a faca fere ainda a pele com o desgosto         ao partir
sem sombra de óculos de sol à mão                            empenhei
as dores da inocência por uma máscara estóica
e caligrafei fundo: toda a amizade
é inútil até prova de contrário

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (fim)

13
chegar e querer
de imediato partir
quebrar todos os espelhos
ou bruscamente num sopro
despelar como um dente-de-leão

a ninguém entregar a sua dor
no meio da solidão da sua língua

seguir lado a lado com a sombra
os dias e os anos


8-20 de Julho de 2019
Wuperthal, Porto, Lisboa, Vila Nova de Mil Fontes, Matosinhos, Bad Meinberg

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

12
onde mar e rio se encontram e as algas partem das
profundidades vindo à luz como longos cabelos de sob a túnica

onde o vento te alfineta com restos
de conchas e a salsugem te lava
o rosto numa carícia

onde tudo isso num aroma te trepa
numa longa inspiração para o poema da vida
junto ao lento mergulho do sol         aí
reconheces o amor entre as rochas         poderás

partir ou morrer         não há muito mais
a fazer         acolá o anjo ajoelhado no seu banho de
cobre vela a ruína do passado
só a névoa esconde o caminho para este

sábado, 10 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

11
voltar à casa das borboletas
abandonada e perdida a caminho
da vila         esse lugar que me ensinou
as melodias do verão a meio dos seus silêncios áridos

despeço-me de noite dos pinheiros
idosos que cobrem as vias dos jardins de mármore
onde me queimava          despeço-me acima
de tudo da infância e carrego
o passado acumulado em livros

de manhã visito antes que parta o velho
pai na sala de espera para a morte
brincando com os seus discos riscados
e a mãe que lá paira no porto de
abrigo num sexto andar de benfica
Penélope à espera dos seus Ulisses filhos

sem essa casa chega o ponto sem retorno
agora         é sempre a descer

deito-me na cama e pergunta-me
a meu lado a minha mulher
porque choras         porque tudo é
triste
e fodemos

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

10
o sol marcou-nos a estupidez na pele
pondo em carne viva e em viva dor
o custo        lembrou-nos         certas belezas
exteriores são trabalhadas a fundo
e a tempo num modo lento
por exemplo         as cores luxuriosas
de pássaros peixes ou plantas para a atracção de
manter a vida viva e diversa

talvez repita o erro
quem sabe         afinal
                               sou humano
embora queira prosseguir outras vias
fora do corredor em que quase todos se afunilam
e me exponha nu às forças da luz e da água
embriagado pela tua visão
feito relógio de sol

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

9
esses caminhos de areia esquecidos depois do passo
esse vento que arrepia os tecidos do teu vestido
essa espuma que preguiça à beira-mar
                                                      prolongando o seu instante aqui por um pouco mais de nada
essa gaivota que busca o seu pescador no bote
                                                                  no horizonte de alguém sentado nas fragas
essa rocha no meio do mar como um longo adeus à terra
esse sal que me seca os lábios quando afloram as tuas costas e
o murmúrio dessas ondas que quero
recordar quando a tristeza da planície do norte me afogar

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

8
quando o céu se estanha e o mar se abrava
por não mais ser distinto          tomamos abrigo
entre dunas e lírios infatigáveis carochas
até que a brisa nos adormece os temores
na areia clara e fresca
recôndito cemitério de caracóis

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

7
todas as aranhas são fêmeas
e são belas e amedrontam
(pelo menos as que têm
o tamanho da cabeça do meu polegar)
as aranhas e todos os animais selvagens
são fêmeas e belas
enquanto os domesticados são todos machos
e quebrados e já não tão belos e lustrosos e aterradores
quanto as fêmeas (as minhas duas
cadelas embora domesticadas são belas fêmeas
de pêlo negro brilhante como uma noite
após a chuva) e tu         tu és ainda selvagem e bela
em todas as estações          mas          morena de sol
e entrando nua no mar
                                              só tens lugar num poema

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

6
soltar lentamente as amarras da vida
e escutar o futuro pela janela
lá fora          entre o trinado de grilos e cigarras
numa noite de verão         despejar leite
por sobre os corpos abrasados
ateando o desejo à espera de picar o ponto
deixar          enfim          que o cansaço de tantas ondas
amparadas na carne
atordoe as pálpebras
fechando a loja para que venham os vampiros

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

5
sou um filho da criação
e em três movimentos
aprendo a deslizar por sobre
a espuma de um mar que se azuleia
à medida que as nuvens se fendem
e se abrem ao sol          descalço
caminho pelas falésias de calcário
mergulho os olhos no horizonte
deixo tudo entrar em mim
do fundo desse silêncio que tudo diz

de regresso com a noite
essa gente incapaz de cerrar a boca
dá-me sonhos de eremita

quarta-feira, 31 de julho de 2019

da tristeza e do amor do mar de julho (cont.)

4
a caminho do istmo o nevoeiro
ressumiu o mundo e despediu
o verão da diplomacia
exilando-o de todas as peles

baleias vieram dar à costa
cegonhas aninharam-se ao frio de pilares
e as gaivotas ganiram sonâmbulas
para que Neptuno rasgasse os seus contratos
com as petrolíferas

por uma boca cheia de plástico morreram os peixes

deitámo-nos a ler até a cegueira nos levasse a
esquecer que houve um dia com uma saída

terça-feira, 30 de julho de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho (cont.)

3
cair serenamente bêbedo pelo aroma
de tílias e um mel enxuto derramado no chão
segura o mundo às artimanhas de anjos

uma sombra adormece o pensamento

a destruição continua sem resposta

quinta-feira, 25 de julho de 2019

Da tristeza e do amor do mar de julho (cont,)

2
o céu desce lentamente sobre o campo
afoga as ervas num dilúvio seco
os olhos iluminam-se com a sua beleza
e as pálpebras caem no sono das borboletas

o trovão ecoa por todos os corpos
dá uma razão ao nervosismo da corça
com a aproximação do meu passo

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Da tristeza e do amor do mar de Julho

1
um cansaço que se alapa nos ossos          alastra
uma videira de cálcio          pende a vida para a paralisia
estupor apenas desanuviado num mergulho no mar

sábado, 15 de junho de 2019

Narciso e Eco

quem me fala                                                     fala
que eu                                                               eu
me fala e escuto                                                 escuto
quem me olha                                                    olha
se não sei quem me vê                                       vê
quem                                                                quem
diz que te ama                                                   te ama
e fica                                                                 fica
para                                                                  para
te deixar                                                           deixar
a sós com o teu ser                                           ser
esse amor                                                         amor
que sempre existiu em ti                                    em ti

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Ishvara e Maya

falando da pele soubeste
Valéry        o mais profundo é
o que mais está à vista
de fronte e entrando
em ti sendo nada senão
somente tanto quanto tu
e
eu


terça-feira, 23 de abril de 2019

Visões da Serra

5
és um pedaço de carvão que respira
nessa cama algodoada          uma lasca
de grafite a cortar os campos
sempre verdes das terras alemãs
a sombra de uma sombra ou uma alma
a suspirar quando te sentas
ao meu colo pedindo atenção e com prazer
concedo as mãos no teu dorso
pelo queixo massajando
os teus triângulos de veludo que cobrem
o vasto mundo de barulhos sons e gentis
ares alheios ao meu sentido e
a tua barriga tracejada a branco
onde o bisturi te raspou a nada
o que ao futuro darias

dormes numa espiral de número d'ouro
numa perfeita paz que me desperta a inveja e
a curiosidade          quem te faz ganir
e uivar e ladrar e correr
no vazio         quem te habita
o sonho         será o meu          o de olho
a olho e entendimento estendido
por cima da areia de diferenças
a imergir no mar da tranquilidade
em que tu e eu nos sabemos iguais
ou a rainha da floresta teutónica
protegendo as suas crias da tua manha

se lesses este poema saberias que te respeito
te levo ao peito e memorizo o teu corpo
e movimentos e apenas procuro livrar-me
desta doença da interpretação humana
demasiado humana impedindo-te de seres
um simples animal intocado e colonizando-
te com a minha linguagem quando sou eu
quem é surdo cego e analfabeto
ao que dizes com a tua vida vivida a meu lado

sexta-feira, 12 de abril de 2019

queres por aqui ficar

quando apareceste o amor tinha ido
dar uma volta ao cabo Espichel
debruçava-se na falésia e da sua voz
fazia o rebate choroso das ondas

pedia ao tempo que se alentasse
como o barco caído na linha
da separação dos dois
azuis

viu quanto dura a rotação e a luz
a esquivar-se da opacidade da memória
dos corpos e da espuma desses dias

toda a despedida é um até já
até que a morte quebre qualquer laço

do que virá depois só posso guardar
silêncio          lancei-o por fim ao mar
essa coisa seca
em que se tornou o coração               como uma pedra
para chapinhar nas ondas
ou uma estrela de retorno a casa

lavou-se da conta dos fados
do canto das fodas
das palavras ébrias
foi dar às rochas
esmurchecido
como um cão sob o peso da bátega

agora bate com a precisão
e atrasos dos comboios
faz pontes e ecoa
as juras e mentiras da paixão

talvez vás ainda
a tempo          estas purgas
duram         toma-lhe o peso do sal
aproxima o teu ouvido e escuta
às vezes acordo do longo sono e volto-me
com docilidade para o delicado
abismo da desordem*

queres por aqui ficar


*Clarice Lispector

terça-feira, 9 de abril de 2019

Despertai

Precisei que Deus me abandonasse para que eu sentisse a sua presença
Clarice Lispector

só àquele que desistiu
pela renúncia à pertença
isso lhe surge dentro de si

quarta-feira, 3 de abril de 2019

se te esquecesses de morrer

para o meu pai


conheci-te com um grande silêncio          sentavas-te
no sofá da sala o olhar preso
nas letras e em redor
uma névoa          acreditava que guardavas
como a terra os cristais longamente
crescidos sob estrondosas pressões      
                                                                 segredos            amordaçados por vinho e whisky
maços de gigante          o que havia
a dizer não era nada
que eu já não soubesse e aos poucos
vindo à flor do cérebro ou à boca
dos dedos mordendo a caneta

sei do dia          a morte sentar-se-á
a teu lado como eu em visita
não reconhecerás qualquer rosto
e ela          de quem ninguém olvida
                                                     oh tu náufrago do rio Letes
                                                                                              no teu escritório do pensamento
       guiar-te-á lentamente num jogo
de vingança depois de ter arrancado os cabelos
e te injuriado do alto de penhascos
como Dido
porque te esqueceste de ir morrendo