domingo, 7 de outubro de 2012

rua de santa apolónia à dos bacalhoeiros

para a a.l.r.

fomos descendo do clube dos caminhos de ferro
viajando por este caminho de pedras brancas

e negras os passos eram o diálogo por nós
tantas vezes silenciado e só agora tomado

política amor e arte que mais há para dois
corpos se entenderem mesmo os livros sagrados

fazem destes três conceitos a mão doadora
da vida e da morte o que nos unia porém

era a amizade estreitando-se nestes dias
num país tão próximo dos últimos círculos

da comédia e bastou um olhar da mais terna
ternura para nos lançar justo ao seu limiar

onde os amigos cada um por sua razão
souberam refrear o salto para mais além

caímos fomos incautos aventureiros mas cedo
larguei tua mão olhei para trás novamente

entregando-me à solidão por não saber hoje
deixar uma paixão crescer as suas frágeis raízes

2 comentários:

Rita Moura disse...

tão bom quando os olhares nos lançam ao limiar (sem passar o threshold)
não te esqueças que a amizade também tem raízes e precisa de ser regada

benjamim machado disse...

sim, é verdade; e eu tenho sido um péssimo jardineiro