sábado, 13 de outubro de 2012

Octavio Paz - dois corpos

(tendo recebido hoje uma prenda maravilhosa da minha amiga marina lópez, de visita a lisboa, pelo meu aniversário no mês passado, apresentarei aqui uma tradução do poema que ela me leu - porque tem a ver com o tema da minha tese - no jardim das amoreiras junto à mãe d'água):


DOIS CORPOS

Dois corpos frente a frente
são às vezes duas ondas
e a noite é oceano.

Dois corpos frente a frente
são às vezes duas pedras
e a noite deserto.

Dois corpos frente a frente
são às vezes raízes
na noite entrelaçadas.

Dois corpos frente a frente
são às vezes navalhas
e a noite relâmpago.

Dois corpos frente a frente
são dois astros que caem
num céu vazio.


in Octavio Paz, Libertad bajo palavra, obra poética (1935-1957), Fondo de cultura económica, sucursal para España, col. letras mexicanas, Madrid, 1990: 43-44.

Sem comentários: