domingo, 4 de maio de 2014

ein Kuss am Fenster

se o reconhecimento se deu num passo
balanceado entre a timidez e a intimidação
da aventura ajustando o casaco de linho preto
impedindo o vento de abril de te desarrumar a mobília
interior - o mais corporal e intocável do corpo - em
tão poucos minutos trocados na eternidade das palavras
o começo tão perdido quanto a origem encerrou-se
no pacto de um beijo na janela aberta dessa casa
a que nunca mais voltaremos com toda
a noite e lua de maio impossibilitadas de suster no peito
a revoada de cavalos chispando no seu galope
estás longe agora fecho os olhos tenho estas palavras
e toda a brasa com que me queimaste os lábios se incendeia

2 comentários:

je suis...noir disse...

Continuas a surpreender... (ou as tuas palavras, como preferires)

benjamim machado disse...

obrigado, sinceramente.