quarta-feira, 15 de maio de 2013

nesta tarde de primavera passaste branca
pela erva mal tratada do jardim ias
atrasada para um compromisso e a correr
entraste pelo caminho subterrâneo

o tempo miserável e precário em que me encontro
este rio lavando-me duas vezes na mesma água
permitiu-me seguir-te e cair

e no meio de muita gente
o atlas que sustém este coração no vazio
descansou por um breve instante e deixou-se
banhar pelas breves torrentes da imaginação

vi uma vida onde contigo
crescia diminuía bebia entre loucos amigos
flores conquistavam os paraísos perdidos de betão
perdendo-nos somente à rainha vermelha
alguém chamou por um nome

e não era o meu nem tu
o felpudo na lura

3 comentários:

je suis...noir disse...

o atlas que sustém este coração no vazio...

gosto

Rita Moura disse...

Maravilha!

benjamim machado disse...

obrigado às duas.