segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012


já tinhas do amor partido o laço
quando tua mão na minha
e tu adormecendo
no meu sono de não.
reparo
estou só
(vem
al berto
com tua voz grave
ditar-me os meandros do medo)
esmoreço e escuto o teu rosto
reconduzimos a vida a um
seu princípio repetindo-nos e
o que já não há. ainda ouço
sê bem-vindo ao deserto do real

2 comentários:

cristina disse...

"porque el alma prende fuego cuando deja de amar"

benjamim machado disse...

sim, um fogo pálido e frio bem pior que o da paixão